DSC_2179.png

Pêndulo Duplo de Airy

Esse se parece muito com o pêndulo simples a única diferença é que ele é preso não por um linha em um único ponto e sim por uma linha que se bifurca ficando presa em dois pontos. A consequência é que quando se dá uma amplitude inicial a esse pêndulo sua oscilação não ficará presa a apenas uma direção, mas sim a uma combinação de movimento oscilatórios com direção de vibração mutuamente perpendiculares.

 

Aqui, o período do pêndulo dependerá não só do comprimento do fio, mas também da distância entre a massa e o ponto de bifurcação. Podemos observar também que cada comprimento do fio e distância da bifurcação faz com que o pêndulo percorra uma trajetória característica no seu plano de oscilação. Essas trajetórias são conhecidas como "curvas de Lissajous", e são equivalentes a soma de dois movimentos harmônicos de frequências diferentes e direções perpendiculares.

 

Para podermos observar a trajetória do pêndulo, um recipiente com um orifício é colocado no lugar da massa do pêndulo, permitindo o escoamento de areia fina que cai em uma bandeja enquanto o pêndulo oscila, deixando um "rastro" que desenhará a curva de Lissajous característica da configuração que o pêndulo tiver no momento. Para variar a distância da bifurcação usamos uma espécie de presilha, que prende os dois fios; variando a altura da presilha, aumentamos ou diminuimos o tamanho da bifurcação e, consequentemente, a relação de frequencia nos modos de vibração.